Modelos de carta de apresentação 2020 – Atualizados

Para variados processos seletivos, a carta de apresentação é uma coisa opcional: o candidato não precisa escrevê-la. Contudo, ela pode ser um ponto a favor se a pessoa a deixar bem elaborada, especialmente no que diz respeito à sua linguagem e também à sua formatação.

Os modos de as empresas receberem essas cartas de recomendação divergem: o Trabalhe Conosco delas pode ter uma área assim, assim como o seu sistema de recrutamento em outros sites, além de algumas poderem aceita-la pessoalmente, junto ao currículo. Além disso, tem-se um tipo de foco para cada uma dessas cartas, dependendo de qual é o perfil: se é para uma vaga formal ou se é para uma contratação de férias, etc, com revisão ortográfica para todas.

Para emprego formal

As cartas de apresentação desse tipo devem dizer que a pessoa em questão está candidatando-se porque a empresa fez X anúncio: como os sites de emprego sempre colocam um número de código, é interessante reproduzi-lo para que o recrutador tenha certeza de que o candidato, de fato, viu aquela vaga.

Deve-se lembrar de saudar esse recrutador de maneira formal, escolhendo o termo “caro” ou substituindo-o por “prezado” e incluindo o “Sr.” na frente. É preciso escrever ainda que se tem as qualificações requisitadas e é útil citar que se tem tantos anos de experiência, mas não as empresas em si: isso será visualizado no currículo.

No final, o candidato pode escrever que tem certeza de que poderá ocorrer uma troca importante entre ele e a companhia e que, devido a essa certeza, gostaria de ser incluído no processo seletivo. Diferente do padrão de cartas, não é necessário colocar local ou data e nem mesmo assinar, a não ser que ela seja entregue fisicamente: para as cartas que são em Word e serão somente enviadas na forma de arquivo, a assinatura eletrônica é dispensável.

Para estágio

No caso dos estágios, as cartas de apresentação têm de ser bem minuciosas a respeito de qual é o semestre em que se está, mencionando o nome da universidade e lembrando-se de que dizer o título é fundamental. Não adianta dizer que se cursa Letras: existe o Bacharelado e também existe a Licenciatura e ambos têm focos distintos.

A carta só pode dizer que existe experiência se aquele possível estagiário já atuou naquele ramo, mesmo que tenha sido como estagiário em outra companhia. Qualquer colocação profissional afora aquele ramo deve ficar de fora e é melhor que o estudante diga que precisa daquele estágio exatamente porque deseja criar experiência real e começar sua carreira. Destaca-se que, com as adaptações necessárias, essa carta de apresentação servirá também para os recrutamentos de trainee.

Para primeiro emprego

A carta para o primeiro emprego, pensando na falta de experiência, assemelha-se à de estágio; dessa forma, o candidato poderá redigir quase a mesma coisa. É necessário ser honesto, ou seja, mencionar que nunca se trabalhou, mas também dizer que se tem os conhecimentos que o anúncio está solicitando e que se tem muita vontade de ingressar na companhia. O candidato tem de dizer sua escolaridade e é muito bom que ele use os possíveis cursos extras que possuir, sem se esquecer de mencionar o nível de Inglês, se houver.

Como fazer

Entendendo-se como é o conteúdo, tem-se de compreender como se formata esse tipo de carta. Para começar, a única cor de fonte aceitável é a preta, com o sublinhado no título ou então o negrito. O texto deverá estar como justificado e não se pode colorir: porém, na aba “Design” pode-se selecionar algum que apresente cores suaves.

Modelos de Carta:




Comentar