Nome sujo prejudica na hora de conseguir emprego?

Ficar com o nome sujo é uma coisa perigosamente simples de acontecer: basta deixar de pagar alguma coisa, não importa o que seja. O credor então procura o órgão de proteção ao crédito e comunica que determinado indivíduo tem uma dívida. O fato é: depois que o nome está sujo, fica mais difícil conseguir um emprego?

Ação discriminatória é proibida pela Justiça

Nenhum empregador pode deixar de contratar alguém porque essa pessoa está com o nome sujo: inclusive, também não pode pedir documentos que comprovem que ela tem o nome limpo no ato da admissão.

O tipo de conduta citada é discriminatório, de acordo com a Justiça do Trabalho. A situação é a mesma de quando o candidato à vaga é portador de AIDS: não se pode negar a contratação por causa especificamente disso. Afinal, todos os cidadãos têm direito de ter um trabalho formal, até mesmo para conseguir efetuar o pagamento das suas dívidas.

Mercado de trabalho não respeita essa proibição

Mesmo sendo proibido não contratar alguém porque essa pessoa tem o nome sujo, muitos empregadores ainda fazem isso. Contudo, o real motivo não é a dívida, já que isso não impacta de modo nenhum a eficiência profissional desse indivíduo.

O verdadeiro motivo para a negativa do emprego, porém, é a falta de interesse no candidato. O que acontece é que alguns empregadores usam o fato de essa pessoa ter dívidas para justificar a desclassificação.

O que fazer se o empregador desclassifica alguém por causa de nome sujo?

É razoavelmente difícil comprovar que não se passou no processo seletivo por causa de nome sujo, mas é possível: se isso foi perguntado no processo seletivo ou se um dos documentos admissionais era um atestado de nome limpo, é possível provar.

O primeiro passo é procurar um advogado trabalhista para que ele mova um processo na Justiça do Trabalho. Se o candidato já estava definido para a vaga e foi dispensado depois de o recrutador saber do nome sujo, a empresa pode ser obrigada a efetivar a contratação.




Comentar