Pisos salariais dos principais empregos no Brasil em 2019


É importante que os profissionais tenham uma padronização de salários: caso contrário, os empregadores ficam livres para estabelecer as remunerações que quiserem. É para assegurar que ninguém vai receber muito abaixo do que é justo que existe o piso salarial: essa é a quantidade mínima de dinheiro que cada profissional tem de receber no seu emprego.

Muitas categorias têm piso salarial e é muito importante que os trabalhadores conheçam esse valor. Quem está escolhendo uma profissão também se beneficia desse dado, já que pode escolher a área na qual o piso salarial é mais atraente.

Principais pisos em 2019

Normalmente, os pisos salariais são informados nos órgãos funcionais ou nos sindicatos. Alguns dos mais conhecidos são:

 

  • Extrusor de fibras de vidro – R$ 1.357,00;
  • Operador de linha de montagem – R$ 1.410,00;
  • Técnico em laboratório – R$ 2.000,00;
  • Engenharia eletricista de construção – R$ 8.109,00;
  • Analista de produtos químicos – R$ 2.000,00;
  • Chefe de setor no setor público – R$ 1.500,00;
  • Esteticista corporal – R$ 1.200,00;
  • Manipulador em laboratório de farmácia – R$ 998,00;
  • Monitor de sistemas eletrônicos – R$ 1.280,00;
  • Pedreiro de reforma geral – R$ 1.752,00;
  • Pedicure – R$ 1.200,00;
  • Técnico em mecatrônica – R$ 998,00;
  • Engenheiro agrônomo – R$ 8.586,00;
  • Montador de veículos automotores – R$ 2.778,00;
  • Inspetor de qualidade – R$ 1.108,00;
  • Funileiro de manutenção – R$ 2.000,00;
  • Operador de AutoCAD – R$ 1.500,00;
  • Advogado – R$ 2.600,00;
  • Corretor de seguros – R$ 788,00;
  • Químico – R$ 4.728,00;
  • Representante comercial – R$ 1.240,00;
  • Administrador de empresas – R$ 2.432,00;
  • Enfermeiro – R$ 2.231,00;
  • Comissário de bordo – R$ 1.732,00;
  • Professor da Educação Pública – R$ 1.917,00;
  • Trabalhador doméstico – R$ 905,00;
  • Lubrificado de máquinas – R$ 1.383,00.

 

Cabe lembrar que os pisos salariais podem mudar de um Estado para outro.

Todos os empregadores respeitam o piso salarial?

O correto é que as empresas sempre paguem a partir do piso salarial aos seus funcionários, mas isso não acontece. Em diversas profissões, o valor da remuneração é bem mais baixo que o ideal e os trabalhadores aceitam porque desejam um emprego fixo. Em casos assim, é uma boa opção comunicar o órgão funcional ou o sindicato da categoria.