Quem tem direito ao Renda Brasil? Conheça as Regras

O Programa Bolsa Família está com os seus dias contados, segundo o que já informou o ministro da Economia Paulo Guedes. Outros programas sociais como o Auxilio Emergencial, poderão ser substituídos pelo Programa Renda Brasil, que deverá ser ampliado para os trabalhadores informais, ambulantes, diaristas e outros trabalhadores, que também não tenham carteira assinada. O Renda Brasil poderá aproveitar as bases de dados do Auxilio Emergencial.

A previsão é a de que o Renda Brasil tome forças, para realmente acontecer, não se sabendo muito sobre ele ainda, pagando parcelas de até R$ 300,00.

Como se dará o seu funcionamento

Ainda não se sabe muito sobre o Renda Brasil e ele deverá unificar diversos programas sociais em um único programa, estando em análise ainda, com a proposta de efetivar mudanças. Entretanto, ficou estipulado que ao fim do Auxílio Emergencial, começaria a ser pago o Renda Brasil, com o intuito de permitir que os beneficiário do Bolsa Família, também continuem a receber e mesmo que tenha outra fonte de renda, o que não pode acontecer no programa Bolsa Família.

O Renda Brasil é destinado a famílias que são de baixa renda. As regras ainda estão sendo revisadas antes de serem divulgadas de forma oficial. A intenção do governo é a de que esse programa seja lançado em outubro e junto ao projeto Verde e Amarelo, ocorrendo consequentemente ao final do auxílio emergencial, que ainda está sendo pago.

Ele também é um programa de transferência de renda para que seja deixada uma marca que é própria do Governo Bolsonaro. No momento não há uma proposta concreta.

Quem terá direito para receber o Renda Brasil

O governo ainda não detalhou sobre os possíveis beneficiários desse novo programa. A ideia é a de ampliar a cobertura do Bolsa Família, para que sejam incluídos os informais, desempregados e os autônomos, que já estão recebendo o Auxílio Emergencial. A finalidade desse programa é a de aumentar o público atendido para metade da população do Brasil, devido à pobreza aumentar pós-pandemia.




Comentar