Governo assina acordo para reajustar o salário da Polícia Penal Federal em 60%

Por: Vagas Abertas - Empregos, Notícias, Sine, Estágio e Aprendiz

Os salários, especialmente no setor público, são frequentemente ajustados por diversos motivos. Um dos mais significativos é a inflação, que diminui o poder compra e obriga atualizações periódicas para garantir que as remunerações se mantenham competitivas e justas.

O Ministério da Gestão e da Inovação (MGI) firmou um acordo para reajustar os salários das carreiras da Polícia Penal Federal. A medida resultou em um aumento médio salarial de aproximadamente 60%. A negociação, fruto de uma série de reuniões entre a pasta e representantes da categoria, incluindo a Federação Nacional dos Policiais Penais (Fenaspen), marca um progresso significativo nas relações trabalhistas dentro do setor público.

De acordo com o ministério, o salário no topo da carreira da Polícia Penal Federal subirá de R$ 13 mil para R$ 20 mil. O reajuste nas outras faixas salariais nas outras faixas salariais ainda não foi revelado, e a data de início da vigência da nova remuneração ainda será anunciada.

A Polícia Penal Federal foi estabelecida em 2019, após a promulgação de uma emenda constitucional que equiparou os agentes penitenciários aos integrantes das demais forças policiais. Atualmente, existem cerca de 16 mil servidores distribuídos em cinco penitenciárias federais, desempenhando um papel crucial na segurança e administração do sistema carcerário federal.

O acordo firmado também prevê o envio de um projeto de lei ao Congresso para regulamentar e estabelecer um plano de carreira para a Polícia Penal Federal. Espera-se que o projeto contemple o reconhecimento do nível superior como critério mínimo para ingressar na carreira, além de prever melhorias na tabela salarial. A iniciativa representa um avanço significativo para a categoria e demonstra um esforço para estruturar de forma mais eficaz e justa a carreira dos policiais penais federais.